"Raios de Luz"


segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Theotokos - Santa Maria Mãe de Deus


No primeiro dia do ano a Igreja celebra a Solenidade de Maria Santíssima sob o título de «Theotokos - Mãe de Deus». A Virgem Mãe, Filha de Seu Filho, humilde e mais sublime que toda criatura, tem o direito de chamá-lo "Filho", e Ele, Deus onipotente, chama-a, com verdade e amor filial de Mãe

A Solenidade que a Igreja celebra actualmente no primeiro dia do ano foi a primeira festa mariana que apareceu na Igreja ocidental, substituindo assim, o costume pagão das dádivas, no entanto, nem sempre foi celebrada no dia 1 de Janeiro. Desde 1931 que era celebrada no dia 11 de Outubro, mas com a última revisão do calendário religioso passou à data actual, na qual se comemorava a Circuncisão de Jesus, oito dias após ter nascido.

Deus fez-se carne por intermédio de Maria. A Virgem Santíssima é então o ponto de união entre o Céu e a Terra. Contribuiu para a obtenção da plenitude dos tempos.  O próprio Jesus através do apóstolo São Lucas, diz: "Uma árvore boa não dá frutos maus, uma árvore má não dá bom fruto". Portanto, pelo fruto se conhece a árvore.

Santa Isabel, quando recebeu a visita de Maria, exclamou: "Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre."  O Fruto do ventre de Maria é o Filho de Deus Altíssimo, Jesus Cristo, nosso Deus e Senhor. Quem aceita Jesus, fruto de Maria, aceita a árvore que é Maria. Maria é de Jesus e Jesus é de Maria.

Que a contemplação deste mistério exerça em nós a confiança inabalável na Misericórdia de Deus, para nos levar ao caminho recto, com a certeza do Seu auxílio, para abandonarmos a vida de pecado e vivermos em Jesus Cristo, que nos conduz à Vida Eterna.

Entreguemos o novo ano à protecção de Maria Santíssima que, quando se tornou Mãe de Deus, fez-se também nossa Mãe.


Proposta de Cânticos para Missa:

Entrada: Salvé, ó Virgem Maria - CECI 65
Ofertório: Jesus Cristo, ontem e hoje - CECI 66
Comunhão: O Trigo que Deus semeou - C. Silva
Acção de Graças: Senhor trazei-nos a paz - CECII 155
Fim / Beija-Menino: Vinde adoremos (Adeste fideles) - CT 301


CEC I e II - Cânticos de Entrada e de Comunhão (I e IIVolume);
CT - Cantemos Todos;



Te Deum - Nós Vos louvamos ó Deus



Nós Vos louvamos, ó Deus, *
   nós Vos bendizemos, Senhor.
Toda a terra Vos adora, *
   Pai eterno e omnipotente.

Os Anjos, os Céus e todas as Potestades,*
   os Querubins e os Serafins Vos aclamam sem cessar:
Santo, Santo, Santo, Senhor Deus do Universo, *
   o céu e a terra proclamam a vossa glória.

O coro glorioso dos Apóstolos, *
   a falange venerável dos Profetas,
o exército resplandecente dos Mártires *
   cantam os vossos louvores.

A santa Igreja anuncia por toda a terra *
   a glória do vosso nome:
Deus de infinita majestade, *
   Pai, Filho e Espírito Santo.

Senhor Jesus Cristo, Rei da glória, *
   Filho do Eterno Pai,
para salvar o homem, tomastes a condição humana *
  no seio da Virgem Maria.

Vós despedaçastes as cadeias da morte *
   e abristes as portas do Céu.
Vós estais sentado à direita de Deus, na glória do Pai, *
   e de novo haveis de vir para julgar os vivos e os mortos.

Socorrei os vossos servos, Senhor, *
   que remistes com o vosso Sangue precioso;
e recebei-os na luz da glória, *
   na assembleia dos vossos Santos.

Salvai o vosso povo, Senhor, *
   e abençoai a vossa herança;
sede o seu pastor e guia através dos tempos *
   e conduzi-os às fontes da vida eterna.

Nós Vos bendiremos todos os dias da nossa vida *
   e louvaremos para sempre o vosso nome.
Dignai-Vos, Senhor, neste dia, livrar-nos do pecado. *
   Tende piedade de nós, Senhor, tende piedade de nós.

Desça sobre nós a vossa misericórdia, *
   porque em Vós esperamos.
Em Vós espero, meu Deus, *
   não serei confundido eternamente.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012



Muitos séculos depois da criação do mundo,
quando no principio Deus criou o céu e a terra e formou o homem à sua imagem;
Muitos séculos depois do dilúvio, quando Deus colocou nas nuvens o arco-íris, 
como sinal de aliança e de paz;
Vinte e um séculos depois da migração de Abraão,
nosso pai na fé, de Ur da Caldeia;
Treze séculos depois da saída do
povo de Deus do Egipto, guiado por Moisés;
Cerca do ano mil depois da unção de David como rei;
Na semana sexagésima quinta,
segundo a profecia de Daniel;
Na Olimpíada centésima nonagésima Quarta;
No ano setecentos e cinquenta e dois da fundação de Roma;
No ano quarenta e dois do Império de Octaviano Augusto;
Reinando a paz sobre todo o Orbe

JESUS CRISTO,
Deus eterno e Filho do Eterno Pai,
querendo santificar o mundo com a Sua vinda de misericórdia,
concebido do Espírito Santo,
decorridos nove meses depois de ter sido concebido,
nasce em Belém de Judá da Virgem Maria feito homem.
Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo a carne.

Graças a Deus!

Do Anúncio solene do Dia de Natal - Martirológio Romano

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Exultemos de Alegria! Jesus nasceu!



Ó admirável noite em que nasceu
Do seio de Maria o Redentor!
Em humildade extrema apareceu
Quem do celeste Pai é resplendor.

Exultemos de alegria,
 Adoremos o Senhor;
Da Virgem Santa Maria
Nasceu Cristo, o Redentor!

Rejubilou a terra de alegria
No santo nascimento de Jesus;
Do seio imaculado de Maria
Surgiu em noite escura a eterna luz.

Aquele que deu a vida às criaturas
Hoje aparece como nosso Irmão!
Quem acendeu os astros nas alturas
Desceu à nossa humana condição.

Nações do mundo inteiro, bendizei,
Louvai o Deus Menino e sua Mãe!
Louvai com alegria o vosso Rei,
Nascido na pobreza de Belém.

Da Liturgia das Horas da Noite de Natal


A JMV Sobreiro deseja a todos os leitores deste blog 
e a todos os amigos um Santo Natal. 
Que Jesus Menino nasça verdadeiramente no nosso coração e no de cada um de vós!

domingo, 23 de dezembro de 2012

Bem-Aventurada Aquela que acreditou


visitacao
O Evangelho deste IV Domingo do Advento apresenta-nos a Visitação de Nossa Senhora a Sua prima Isabel. Ao saber pelo Anjo da gravidez de Isabel, já de idade avançada, a Virgem Puríssima parte para a auxiliar. Apesar de ser A eleita de Deus e de já trazer no Seu seio o Messias, Nossa Senhora não hesita em prestar ajuda. Também nós somos convidados diariamente a pôr os olhos na humildade e entrega de Nossa Senhora.


«Bendita és tu entre todas as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre». Foi desta forma que Isabel saudou a sua prima. Diariamente, na recitação do Terço do Rosário, a Igreja repete as palavras de Isabel e saúda Nossa Senhora com esta expressão. Maria é de facto bendita porque foi a eleita de Deus e porque foi escolhida para ser a Mãe de Deus. No entanto, maior ainda é o Seu Santo Filho, Jesus Cristo Nosso Salvador que é fruto do ventre da Virgem Puríssima.

Isabel acrescenta: «Bem-aventurada aquela que acreditou…» Podermos pensar porque é que Nossa Senhora acreditou: era Virgem, e ainda só estava desposada a São José. No entanto, ao ouvir as palavras do Anjo, Maria porque é humilde, acreditou e disse o seu "Sim" que constituiu o "Sim" da espécie humana à Salvação de Deus. 

Humildade, espírito de serviço e amor, são virtudes vividas por Nossa Senhora que verdadeiramente importa imitar. Com elas vivemos com autenticidade e muita alegria, não só a Festa do Natal que se aproxima, mas também as nossas vidas. Quando cultivamos em nós estas virtudes essenciais, temos a possibilidade de, através da luz da Fé, «ver» o rosto humilde, terno, cheio de encanto e de amor de Jesus Menino que a todos vem salvar. 

O Santo Padre, no dia 24 de Dezembro de 2006 dizia: «A celebração do Santo Natal já é iminente.(...) No recém-nascido Divino, que colocaremos no presépio, torna-se evidente a nossa salvação. No Deus que Se faz homem por nós, sentimo-nos todos amados e acolhidos, descobrimos que somos preciosos e únicos aos olhos do Criador. O Natal de Cristo ajuda-nos a tomar consciência do valor da vida humana, a vida de cada ser humano, desde o seu primeiro instante até ao seu fim natural. A quem abre o coração a este "menino envolvido em panos" e colocado "numa manjedoura" (cf.Lc 2, 12), Ele oferece a possibilidade de olhar com olhos novos as realidades de todos os dias. Poderá saborear o poder do fascínio interior do Amor de Deus, que consegue transformar em alegria o sofrimento.»

Procuremos olhar para o exemplo de Nossa Senhora e para a Saudação de Isabel como uma bela catequese que nos deve impelir a procurarmos sempre ir em auxílio dos mais necessitados e dar graças à Mãe de Deus por tão grande benefício. Através d'Ela veio ao mundo Aquele que, tal como diz o Papa Bento XVI, «nos faz tornar evidente a nossa salvação».

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Pela Sua Fé, A chamarão Bem-Aventurada


«No caminho do Advento, ocupa um lugar especial a Virgem Mãe, que acolheu na fé e na carne Jesus, o Filho de Deus. N’Ela vemos a criatura que, de modo incomparável, abriu de par em par as portas ao seu Criador, submetendo-Se livremente à vontade divina na obediência da fé: adere com plena confiança à palavra que Lhe anuncia o Mensageiro de Deus. 

Este «sim» de Maria à vontade divina repete-se ao longo de toda a Sua vida até ao momento mais difícil: o da Cruz. Ela não Se contenta com uma percepção imediata e superficial do que sucede na Sua vida, mas entra em diálogo íntimo com a Palavra de Deus e deixa-Se interpelar pelos acontecimentos, procurando a compreensão que só a fé pode garantir. 

Maria acolhe mesmo aquilo que não compreende do agir divino, deixando que seja Deus a abrir-Lhe o coração e a mente. Assim Se tornou modelo e mãe de todos os crentes. Pela sua fé, todas as gerações A chamarão bem-aventurada.»

Da Audiência Geral do Papa Bento XVI - 19 -Dezembro 2012

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Vinde, Senhor, reine entre os homens o Vosso Amor


Vinde, Jesus,
Brilhe no mundo a Vossa Luz.
Vinde, Senhor,
Reine entre os homens Vosso Amor.

Vinde, Senhor: a Igreja Vos espera,
Sol de justiça, eterna primavera.
Vinde, Senhor: a Terra Vos procura,
Vós sois a Luz de toda a criatura.

Palavra Eterna, falai à vossa Igreja
Que tão ardentemente Vos deseja.
Palavra Eterna, criai um mundo novo,
Fazei dos homens todos um só povo.

Palavra Eterna, Simples, Incorrupta,
Falai, Senhor, que a vossa Igreja escuta.
Palavra Eterna, clamai neste deserto,
Fazei sentir aos homens que estais perto.

Vinde, Senhor: a Igreja é vossa Esposa,
Mostrai-lhe a vossa face gloriosa.
Vinde, Senhor: Falai, Verbo de Deus,
Criai a nova terra e os novos céus.

Hino da Liturgia das Horas

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Vinde libertar-nos, não tardeis


Deus de infinita caridade,
 que nos amastes tanto e que nos destes em Vosso Filho
a  melhor prenda do Vosso amor, 
para que, feito carne no seio da Virgem Santa Maria, 
nascesse num presépio para a nossa salvação; 
Nós Vos damos graças por tão grande benefício. 
Vos oferecemos, Senhor, 
o esforço sincero para fazer deste mundo um mundo mais justo. 
Vos pedimos que este Natal,
seja para nós um estímulo a fim de que, vivendo como irmãos, 
procuremos os caminhos da verdade, da justiça, do amor e da paz. 

Ámen.

Oração para rezar diante do presépio

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Vinde resgatar-nos com o poder do Vosso braço



Ó Chefe da casa de Israel, que no Sinai  destes a Lei a Moisés: 
vinde resgatar-nos com o poder do Vosso braço.

Concedei-nos, Deus omnipotente, que o esperado nascimento de Vosso Filho Unigénito nos liberte da antiga escravidão do pecado.  Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, que é Deus Convosco na unidade do Espírito Santo. Ámen.


Da Liturgia das Horas do dia 18 de Dezembro



segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Oração do dia 17 de Dezembro


Deus, criador e redentor do género humano,
que no seio da bem-aventurada Virgem Maria 
quisestes realizar o grande mis­tério da Encarnação do Verbo, 
ouvi a nossa oração e concedei que o vosso Filho Unigénito, feito homem como nós, 
nos torne participantes da sua vida divina. 
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Ámen.

Oração Coleta da Missa de 17 de Dezembro

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Alegrai-vos porque o Senhor está a chegar!


"Alegrai-vos porque o Senhor está a chegar" é o convite que nos é feito neste terceiro Domingo do Advento, conhecido por essa razão por Gaudete, Domingo da alegria.

O Advento pede-nos uma preparação digna, cheia de motivações, para um acontecimento tão significativo como o Nascimento de Jesus. A Palavra de Deus exorta-nos a expressar a nossa alegria, porque o Senhor está a chegar!

No Evangelho deste Domingo, os intervenientes perguntam a João Baptista "o que devemos fazer?". Também nós nos devemos muitas vezes perguntar "que fazer?" para preparar dignamente o nosso coração para acolhermos a chegada do Verbo de Deus feito Homem.

João propõe três atitudes concretas para quem quer fazer a experiência de conversão e de encontro com o Senhor que está para chegar:
Ao povo que seguia o Percussor, é recomendada uma sensibilidade às necessidades dos outros, isto é, a partilha dos bens que temos com aqueles que nada têm. Para os publicanos, que eram os cobradores de impostos da época, João exorta-os a não explorarem os outros nem a usar de esquemas ilícitos para enriquecer. Aos soldados, pede que não usem de violência, e para não abusar do poder contra os fracos e indefesos.

E nós, em que grupo nos incluímos? Quantas vezes fazemos dos nossos irmãos os nossos escravos? Quantas vezes usamos de violência não só física, mas acima de tudo psicológica, com o objectivo de termos aquilo que erradamente ambicionamos?

O Evangelho continua com o anúncio por parte de João de um Baptismo no Espírito Santo. João pregava um Baptismo de arrependimento, mas "Aquele que há-de vir de quem eu não sou digno de desatar as correias das sandálias" traz ao mundo um Baptismo no qual se recebe a Vida em Deus que actua no coração de cada um, fazendo com que o homem velho (marcado pelo egoísmo e pela centralidade em si mesmo) seja capaz de partilhar a vida e amar com Jesus.

Intensifiquemos a nossa oração! É necessário que nos dirijamos ao Senhor e que lhe abramos a nossa alma com toda a confiança. E aí encontraremos a fonte da alegria.

Uma alma triste está à mercê de muitas tentações. Quantos pecados se têm cometido à sombra da tristeza! Por outro lado, quando a alma está alegre, abre-se e é estímulo para os outros; quando está triste, obscurece e faz mal aos que estão à sua volta.

A tristeza nasce do egoísmo, de pensarmos em nós mesmos, esquecendo os outros. Quem anda excessivamente preocupado consigo próprio dificilmente encontrará a alegria da abertura para Deus e para os outros.

Procuremos com o auxílio da Virgem Mãe sermos alegres no nosso dia e viver de acordo com o Baptismo que recebemos, transformando o que há de "velho" em nós em Homem Novo, marcado pelo arrependimento e pelo amor a Deus e ao próximo.



Proposta de Cânticos para a Missa:

Entrada:  Alegrai-vos sempre no Senhor  (J.P. Martins - CEC I)
Ofertório: Preparai os caminhos do Senhor (M. Carneiro)
Comunhão: Vinde comer do meu pão (C. Silva)
Acção de Graças: O Espírito de Deus (Autor desconhecido)
Fim:  Abri de par em par (C. Silva - OC 25)


quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Maria, a humilde serva do Senhor



«O Todo-Poderoso pôs os olhos na humildade da Sua serva.
De hoje em diante me chamarão Bem-Aventurada todas as gerações» (Lc1,48)

Neste tempo do Advento, no qual nos preparamos para acolher o Deus Menino nos nossos corações, procuremos reflectir, tendo como exemplo de humildade a Virgem Maria, sobre como nos devemos dar aos outros e sermos humildes nas nossas vidas.

A Virgem Maria foi a primeira e mais perfeita discípula de Jesus em todas as virtudes, no entanto, a virtude pela qual mereceu ser exaltada sobre todas as criaturas foi a humildade.

Santo Afonso Maria Ligório, nas suas meditações diz-nos que Maria foi humilde desde o momento da Anunciação. Sabendo que tinha concebido por acção do Espírito Santo, a Virgem Santíssima quis encobrir tão grande graça de São José, Seu castíssimo esposo que, ao vê-La grávida podia suspeitar acerca da Sua pureza.

Uma das marcas dos humildes é o serviço. Maria não recusou servir a Sua prima Isabel durante três meses e quando Isabel a elogiou chamando-a de Bem-Aventurada e bendita entre todas as mulheres, a humilde Virgem, recusando aqueles louvores, atribuiu-os a Deus proferindo o humilde cântico do Magnificat: «Magnificat anima mea Dominum».

Como pecadores que somos, temos em nós a mácula do pecado original e os pecados que vamos cometendo nas nossas vidas. São Gregório afirma que «a virtude mais difícil de praticar, à excepção da castidade, é a humildade». Nossa Senhora soube ser sempre humilde. A eleita do Senhor desde toda a eternidade soube fazer-se serva do Senhor.

Resolvamos pois, como fruto desta meditação, imitar a Santa Virgem Maria no exercício da humildade. Nestes dias que antecedem o Natal procuremos ter Maria presente nas nossas vidas e fixemos n'Ela o nosso olhar e o nosso coração, para que, tal como diz São Bernardo, «se não podes imitar a virgindade da humildade, imita a humildade da Virgem».


Fonte: Meditações para cada dia do ano - Santo Afonso Maria Ligório


quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Festa de Natal no Lar de Idosos do Sobreiro


No passado Domingo, dia 09 de Dezembro os utentes do Lar e Centro de Dia do Sobreiro receberam os seus familiares e amigos para celebrar a Festa de Natal. A Juventude Mariana Vicentina do Sobreiro juntou-se aos utentes do Lar para alegrar um pouco a tarde e lembrar a importância do Natal para todas as gerações.

A festa teve início com a sala quase cheia e com um sorriso nos rostos dos idosos. A abertura esteve a cargo do Grupo de Jovens da Achada com umas pequenas cenas de animação, isto porque, o mais importante naquele dia era fazer os idosos sorrir e sentirem-se amados e acompanhados por todos.

Ao Grupo de Jovens do Sobreiro coube a representação do tradicional Auto de Natal, no qual, com o auxílio de alguns elementos do grupo do 10º Volume da Catequese, foram representadas as cenas bíblicas desde a Anunciação do Anjo Gabriel a Nossa Senhora até ao Nascimento de Jesus. A participação do grupo terminou com o cântico popular de Natal "Glória in excelsis Deo", que contou com as vozes de todos os presentes.

A tarde continuou com uma bela representação levada a cabo pelas funcionárias do Lar, com a qual mostraram que o Nascimento de Jesus dá-se nos nossos corações, quando estamos preparados e atentos para O receber e para nos dar-mos aos que mais necessitam de auxílio.
Também os utentes do Lar puderam participar na festa e presentearam a assistência com cânticos de Natal e com alguns poemas.
A festa terminou com um pequeno lanche de confraternização entre as famílias, os grupos presentes e aqueles que dão vida e fazem a história daquela casa. 

No mês passado, o Santo Padre visitou em Roma uma casa de acolhimento de idosos e, como sempre, deixou palavras sábias e nas quais vale a pena meditar e tê-las presentes, não só nas actividades do grupo de jovens, mas também na vida de cada um: «É belo ser idoso! Em cada idade, é preciso descobrir a presença e a bênção do Senhor e as riquezas que contém. (...) A sociedade, dominada pela lógica da eficácia e do lucro, não acolhe os idosos como tal e até os afasta, considerando-os como mão produtivos e inúteis. (...) A qualidade de uma sociedade, quero dizer, de uma civilização, julga-se também no modo como os idosos são tratados e pelo lugar que lhes é reservado na vida comum, Quem dá espaço aos idosos, dá espaço à vida. Quem acolhe os idosos, acolhe a vida»


Neste tempo de preparação para o Nascimento de Jesus Menino procuremos construir no nosso coração um local apropriado para Ele se fazer presente. Tenhamos em conta, nas nossas vidas atarefadas, o exemplo de Nossa Senhora que sabendo que a Sua prima Isabel, já idosa, necessitava do Seu auxílio, partiu em direcção à Cidade da Judeia para a acompanhar. Quem bom seria se cada um de nós dedicasse algum tempo neste Natal àqueles que mais precisam da nossa companhia e do nosso amor.



quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria


Retábulo da Imaculada Conceição
presente na Sala dos Actos
do Palácio Nacional de Mafra
A Igreja celebra no próximo Sábado, dia 08 de Dezembro, a Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria. O dogma da Imaculada Conceição, proclamado a 8 de Dezembro de 1854 pelo Papa Pio IX  na Bula "Ineffabilis Deus", declara a Santidade da Virgem Santa Maria desde o primeiro momento da Sua existência, ou seja, que Ela foi preservada desde sempre da mácula do pecado original, no qual nascem todos os filhos de Adão.

Como todos os dogmas, também a Imaculada Conceição foi a solene proclamação da Fé do povo de Deus, do sentir da Igreja bem como do que nós podemos chamar de 'devoção popular'.  Em Portugal, no dia 25 de Março de 1646, Nossa Senhora  foi proclamada por D. João IV Rainha e Padroeira de Portugal sob o título de Imaculada Conceição.

Podemos pois afirmar que o dogma da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria foi a solene confirmação do mistério central da fé. A Virgem Maria foi pensada por Deus como a mediadora do mistério da Encarnação. Ao acolher a Palavra do Anjo, a Virgem Maria permitiu que o Verbo de Deus assumisse a carne humana. 

A Virgem Maria é a primeira redimida: depois d'Ela e por meio d'Ela, todos são chamados a participar na vitória da Redenção, através do Baptismo, pelo qual o homem é também chamado a ser santo e imaculado na presença de Deus. Não se pense por isso que a proclamação deste dogma veio contrariar o dogma da Redenção de Jesus. A Virgem Maria, antes de ser concebida já tinha sido redimida pelo Seu Filho.

O dogma que a Igreja celebra neste dia já tinha sido 'preparado' por Nossa Senhora. Em 1830,  a Virgem Maria recomendara a Santa Catarina de Labouré a difusão da Medalha Milagrosa, contendo a jaculatória: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”.

No entanto, para que não restassem dúvidas sobre o agrado de Deus e da Virgem Mãe com a proclamação desta verdade de Fé, quatro anos após a proclamação do Dogma da Imaculada Conceição, no dia 25 de Março de 1858, em Lourdes, Nossa Senhora aparece à pequena vidente Bernadette Soubirous e depois de estender os braços — como se vê na Medalha Milagrosa —,  juntou as mãos à altura do coração e respondeu: “Eu sou a Imaculada Conceição!”.

No século XX, em Fátima, a Virgem Santíssima recomendou a devoção a Seu Coração Imaculado e prometeu: “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!”. Esta foi mais uma magnífica confirmação do dogma proclamado pelo Bem-aventurado Papa Pio IX no século XIX.

São Bernardino de Sena, famoso pregador do século XV, dá-nos um exemplo que retrata bastante bem a importância da Imaculada Conceição. “Nenhum filho pode escolher a sua Mãe. Mas se a algum deles fosse dada tal escolha, qual seria aquele que, podendo ter por mãe uma rainha, a quisesse escrava? Ou, podendo tê-la nobre, a quisesse vil? Ora, o Filho de Deus, e Ele tão somente, pôde escolher para Si uma Mãe a Seu agrado. Por conseguinte, deve-se ter por certo que A escolheu tal qual convinha. A Deus que é puríssimo, convinha uma Mãe isenta de toda culpa. Fê-La, por isso, Imaculada”.

Procuremos viver este dia com os olhos postos em Nossa Senhora, Aquela que é isenta de toda a mancha e que soube preservar a graça que Deus Lhe deu. Tentemos pois imitá-La, desejando que na nossa vida sejamos capazes de nos afastarmos do pecado, procurando viver em castidade e obediência a Deus.



Guião com a Liturgia das Horas para a Solenidade da Imaculada Conceição


Proposta de Cânticos para a Missa:
Entrada:  Desde toda a eternidade (Paul Décha / Miguel Carneiro)
Ofertório: Quem é Aquela que surge (M. Luís / Harm: A. Cartageno)
Comunhão: O Trigo que Deus semeou (C. Silva)
Acção de Graças: Ó Sanctíssima (Melodia Siciliana - Autor desconhecido - Latim)
Fim:  Salvé, nobre padroeira (Popular)



domingo, 2 de dezembro de 2012

Celebrações para a Solenidade da Imaculada Conceição


A Igreja celebra no próximo Sábado, dia 08 de Dezembro, a Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria. O dogma da Imaculada Conceição foi proclamado a 8 de Dezembro de 1854 pelo Papa Pio IX  na Bula "Ineffabilis Deus" e declara a Santidade da Virgem Santa Maria desde o primeiro momento da Sua existência.

Em louvor à Virgem Imaculada, Mãe de Jesus e Mãe da Igreja, a JMV Sobreiro propõe um dia repleto de momentos de oração. Na próxima Sexta-feira dia 07 de Dezembro, pelas 21:30h, terá lugar na capela da Igreja do Sobreiro uma Vigília de Oração à Imaculada Conceição seguindo as orientações da Igreja para este dia, tendo por base o esquema do Ofício Divino.

Já no dia 08, Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria, serão rezadas Laudes pelas 08:30h. Em horário habitual, 09:30h, será celebrada a Missa na qual alguns membros do grupo irão fazer a sua passagem de etapa na Juventude Mariana Vicentina e outros serão admitidos. Da parte da tarde, pelas 18:30h serão rezadas as Vésperas, seguindo-se a Recitação do Terço.

Como jovens Marianos não podíamos deixar passar este dia em que Deus e os Seus anjos exultam de alegria na Virgem Pura e Imaculada.

Convidamos todos a juntarem-se a nós
em oração e louvor à Mãe de Jesus
 

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

«Vigiai e orai em todo o tempo»



No próximo Domingo, dia 02 de Dezembro, a Igreja inicia o novo ano litúrgico com o primeiro Domingo do Advento. Toda a liturgia destas quatro semanas que nos preparam para o Natal do Senhor é  um apelo para se viver uma expectativa vigilante, marcada pela esperança na vinda do Messias e por uma conversão contínua.

No Advento a Igreja recorda-nos que não existe possibilidade de esperança e de alegria sem voltarmos para o Senhor de todo coração, na expectativa da Sua volta. A vigilância requer luta contra o pecado; requer prontidão bem como o desapego dos prazeres e bens terrenos.

O Evangelho deste Domingo aponta-nos para o fim dos tempos, no qual Jesus há-de vir como Rei Glorioso para nos libertar do triste túmulo do pecado. Nas palavras que Jesus dirige aos discípulos deixa uma mensagem que vale a pena tomar em conta:  «Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados pela intemperança, a embriaguez e as preocupações da vida».

Quantas vezes, nos afazeres do nosso dia-a-dia, deixamos que o nosso coração se afaste de Deus e nos conduza a uma vida desregrada marcada pelo egoísmo, pelo ódio e pela prepotência dos ‘senhores do mundo’?

No entanto, Jesus prossegue convidando os discípulos a «Vigiar e Orar». A libertação que Jesus aponta e que há-de transformar cada um não deve ser esperada de braços cruzados. É preciso “estar atento” a essa salvação que nos é oferecida como dom e saber aceitá-la.

Procuremos pois, neste tempo que se inicia, preparar convenientemente a vinda do Senhor. Não nos deixemos contagiar pelos apelos que o mundo nos faz a vivermos o tempo do Advento marcados pelo consumismo, pelo egoísmo e pela recusa de Deus.

Fixemos o olhar em João Baptista e em Nossa Senhora. João, primo de Jesus, foi o Seu percussor. Coube ao filho de Isabel e de Zacarias anunciar a vinda do Messias, convidando todos os que se abeiravam dele a renunciar à vida do erro e do pecado e a acreditar que Jesus, o filho de Maria , é verdadeiramente Filho de Deus e o Salvador dos Homens.

Que a Virgem Maria, Aquela que é modelo de fé e de mulher orante nos ensine a esperarmos vigilantes a vinda de Seu filho e a fazermos da oração uma constante da nossa vida.



Entrada: Vinde Senhor não tardeis - NCT 41
Ofertório: Onde há caridade e amor - NCT 129
Comunhão: Buscai o alimento - NCT 393
Acção de Graças: Irmãos preparai - CT 250
Fim: Excelso criador - CT 248


CT - Cantemos Todos;
NCT - Novo Cantemos Todos.


terça-feira, 27 de novembro de 2012

Nossa Senhora das Graças, escutai-nos!



Ó Imaculada Virgem Mãe de Deus e nossa Mãe.

Contemplamo-Vos de braços abertos
derramando graças sobre os que Vo-las pedem
cheios de confiança na Vossa poderosa intercessão
inúmeras vezes manifestada pela Medalha Milagrosa.

Reconhecemos, Mãe Clementíssima, a nossa indignidade por causa das nossas culpas,
mas acercamo-nos de Vossos pés para Vos pedir por todos os jovens,
especialmente aqueles que estão mais afastados da Santa Igreja,
do Vosso amantíssimo Coração e do Coração Sacratíssimo de Jesus.

Concedei, pois, ó Virgem da Medalha Milagrosa
esta graça que confiantes Vos solicitamos para maior glória de Deus,
engrandecimento de Vosso Nome e bem de nossas almas.
E para melhor servimos ao Vosso Divino Filho,
inspirai-nos um profundo ódio ao pecado
e dai-nos coragem de nos afirmar sempre verdadeiros católicos.
Amém.





sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Jesus Cristo, Rei do Universo



«O Cordeiro que foi imolado é digno de receber o poder e a riqueza, a sabedoria, a honra e o louvor. Glória ao Senhor pelos séculos dos séculos.»
(Ap 5, 12; 1, 6)

No próximo Domingo, a Igreja celebra a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. Esta Solenidade tem cada vez mais sentido, uma vez que foi instituída para apresentar Jesus como único soberano, num mundo que se acha auto-suficiente, querendo, por isso, afastar Deus e a Sua Lei da sociedade.

Sendo o reinado de Nosso Senhor, um reinado universal, os homens não podem dissociar-se do que este Rei Santíssimo propõe para o género humano. O Papa Leão XIII, na Encíclica Annum Sacrum, explica: «O Seu império não abrange tão só as nações católicas ou os cristãos batizados, que juridicamente pertencem à Igreja (…) estende-se igualmente e sem excepções aos homens todos, mesmo alheios à fé cristã, de modo que o império de Cristo Jesus abarca, em todo rigor da verdade, o género humano inteiro».

Hoje ouve-se muito falar em laicidade, que nos é apresentada como uma coisa boa, por si mesma. No entanto, o que se tenta aplicar em muitos países ocidentais é um laicismo anti-cristão. O Papa Pio XI, em 1925, na Encíclia Quas Primas, já falava contra a tentativa de retirar Deus da sociedade e impedir que Jesus reine no mundo: «Nos estados modernos, negou-se à Igreja o direito de doutrinar o género humano, de legislar e reger os povos em ordem à eterna bem-aventurança. Sujeitaram-na, em seguida, à autoridade civil, entregando-a, por assim dizer, ao capricho de príncipes e governos».

E não é a isto que assistimos nos dias de hoje? Os governos das nações julgam poder dispensar o próprio Deus e elaboram leis esquecendo consciente e voluntariamente Nosso Senhor.

A Solenidade de Cristo-Rei vem despertar a nossa consciência de cristãos, súbditos fiéis de um Rei de Amor, de Paz e de Verdade. Lemos no Evangelho deste Domingo um excerto do diálogo entre Jesus e Pilatos. Nosso Senhor afirma-se o Rei da Verdade: «É como dizes: Sou Rei. Para isso nasci e vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade escuta a Minha voz».

Jesus é um Rei que recebeu todo o poder no Céu e na terra e governa sendo manso e humilde de coração, dando a sua vida para a redenção de muitos. E nós desejamos ardentemente esse reinado. É necessário que Cristo reine em primeiro lugar na nossa inteligência, mediante o conhecimento da Sua doutrina e das verdades que Ele revelou á Igreja. É necessário que Ele reine na nossa vontade, moldando-a à vontade divina, no nosso coração e no nosso corpo, Templo do Espírito Santo.

Seremos assim, neste mundo esquecido de Nosso Senhor, as testemunhas verdadeiras de que só a Lei de Deus é proveitosa para o género humano. Seremos as sementes do Reino de Cristo, mostrando à sociedade que só em Jesus, Rei do Universo, o mundo pode ter a paz e a prosperidade tão desejadas.



Entrada: Cristo vence, Cristo reina -  CT 386
Ofertório: Jesus Cristo, ontem e hoje - CEC I 72-73
Comunhão: Eu sou o Pão Vivo - NCT 263
Acção de Graças: Aleluia! Glória a Deus - Pe. Fernandes da Silva
Fim: Cristo ontem, Cristo hoje - Hino do Jubileu do Ano 2000


CEC I - Cânticos de Entrada e de Comunhão (I Volume);
CT - Cantemos Todos;
NCT - Novo Cantemos Todos.



sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Semana de Oração pelos Seminários


 Estamos a viver, até ao próximo Domingo, dia 18 de Novembro, a Semana dos Seminários, com o tema "Sacerdote: irmão na Fé e servidor da Fé dos irmãos".

Esta semana é propícia para rezarmos de um modo mais intenso por aqueles que se preparam para serem “um outro Cristo”, ao serviço do Pai e dos irmãos. Também é um tempo favorável para pedir que surjam muitos e bons operários na Messe do Senhor.

Neste Ano da Fé, é ainda mais importante reconhecer a necessidade de pedir por aqueles que nos guiam nesta mesma Fé da Igreja. Na sua Mensagem para a Semana dos Seminários, D. Virgílio Antunes, Presidente da Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios,  afirma que  «o Padre é, de facto, e é chamado homem de fé. No meio de todas as suas actividades, a fé, assumida e testemunhada, há-de sobressair como o fogo que alimenta toda a sua vida».

Neste sentido, «as vocações sacerdotais dependem de muitos factores, mas o testemunho de fé dos sacerdotes é, sem dúvida, um dos mais relevantes», continua D. Virgílio na mesma mensagem.

A crise de Fé que assola a Igreja é também consequência da falta de vocações, em “número e em qualidade”. Não nos contentemos em pedir apenas muitos padres, mas sim que Deus nos conceda muitos, bons e santos sacerdotes! Só o padre que se configura plenamente com o Sumo e Eterno Sacerdote, que é Jesus Cristo, é capaz de se oferecer inteiramente a Deus, em favor do povo que lhe é confiado.

E de que maneira o sacerdote actua em favor do Povo de Deus?

Nosso Senhor quis perpetuar no tempo o Seu oferecimento na Cruz, para que todos beneficiassem da Redenção. A renovação do sacrifício de Cristo-Sacerdote faz-se todos os dias no Santíssimo Sacramento da Eucaristia, pelas mãos do Padre que, “in persona Christi”, na pessoa de Cristo, oferece o Corpo Santíssimo do Filho ao Pai. A Missa é, portanto, o centro da vida e do ministério do sacerdote.

Tanto na Cruz como no Altar acontece o mesmo sacrifício. Tanto num lugar como noutro, Nossa Senhora está presente:  Na Cruz, a dar força e alento ao Seu filho; no Altar, a sustentar o ministério do sacerdote com a Sua poderosa intercessão.

A Ela, confiamos esta semana de oração pelos seminários. N’Ela confiamos, para que interceda pela Igreja de Seu Filho, tão necessitada de homens que se entreguem totalmente a Deus, como Ele se entregou e continua a entregar totalmente a nós.

Ó Maria,
Vós sois feliz porque acreditastes,
primeira na Fé em Cristo,
a imagem e a figura da Igreja crente.
Rogai a Deus por nós,
para que sejamos firmes na Fé,
na alegria do encontro com Cristo.

Ó Maria,
Vós sois a Mãe de Cristo Sacerdote,
a humilde Serva do Senhor,
a Mãe da Igreja crente.
Rogai a Deus pelos sacerdotes,
para que sejam servos da fé dos irmãos,
na alegria de crer e no entusiasmo de comunicar a Fé.

Ó Maria,
Vós sois a mulher do “Sim” total a Deus,
sempre disponível à vontade do Pai,
a Rainha de todas as Vocações.
Rogai a Deus pelos seminaristas,
para que reconheçam o amor de Deus,
na resposta decidida à sua vocação.
Ámen.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

«Sabei que o Filho do Homem está perto»


Ao aproximarmo-nos do fim do ano litúrgico, a Liturgia deste Domingo, o penúltimo do Tempo Comum, convida-nos a pensarmos nas últimas realidades que viveremos. Usando uma linguagem que poderíamos classificar verdadeiramente de catastrófica, Jesus quer transmitir-nos, acima de tudo, uma mensagem de esperança para os que perseverarem fiéis até ao fim.

O “fim”, seja do que for, sempre inquietou o ser humano, que não lida de forma agradável com a ideia de finitude. Mas está estabelecido que tudo o que existe no universo terá um fim. Só Deus é infinito, nunca teve princípio nem terá fim, pois ultrapassa os limites do tempo. A história humana não é excepção, uma vez que se iniciou num determinado momento e, portanto, terá o seu fim. É precisamente desse fim que Jesus nos fala, no Evangelho deste Domingo.

Se humanamente é desagradável e inquietante pensar no nosso “fim”, isso deve-se ao facto de estarmos demasiado presos a uma visão materialista e mundana da existência. Quando Jesus vier, na Sua glória, para julgar os vivos e os mortos, irá «reunir os Seus eleitos dos quatro pontos cardeais, da extremidade da terra à extremidade do céu».

E quem serão estes eleitos? São aqueles que, durante toda a história da humanidade, acreditaram em Cristo, acolheram-No, todos os que se desprenderam das coisas do mundo e os que, no meio das catástrofes, perseguições e aflições, se mantiveram fiéis até ao fim.

Nosso Senhor foi bem claro: quem quiser segui-Lo verdadeiramente, terá muito que sofrer. Esse sofrimento será particularmente violento no final dos tempos, quando até «as forças do céu serão abaladas». Jesus não mente, não oculta o caminho duro que os que O quiserem seguir terão de fazer. Mas assegura que esses, os verdadeiros fiéis, serão reunidos na Sua presença e serão levados consigo para a Sua glória.

Deus quer tanto salvar-nos que até nos explicou, através de Jesus, os sinais de que o fim estará próximo! No entanto, «esse dia e essa hora, ninguém os conhece: nem os Anjos do Céu, nem o Filho; só o Pai». Deus quer que perseveremos n’Ele, não condicionados a uma data, mas sim, por amor, durante a nossa vida toda.

Expectativa e preparação: eis as duas atitudes que o cristão deve ter durante toda a sua vida e que, neste Domingo, nos são lembradas de modo particular.

Vamos, nesta próxima semana, reforçar a nossa esperança em Jesus Cristo, Rei e Senhor do Tempo e da História. Peçamos-lhe que nos mantenha firmes na Fé até ao último dia, para podermos comparecer diante d’Ele e ouvir dos Seus lábios: “Vinde, benditos! Recebei em herança o Reino preparado para vós!”. Esse Reino de glória e de comunhão com Deus, é o prémio dos que vivem, sofrem e dão a vida da por amor de Jesus e da Igreja. 



Entrada: Dai a paz, Senhor - NCT 214
Ofertório: A messe é grande - OC 14
Comunhão: Tudo o que pedirdes na oração - OC 256/ CECII 52
Acção de Graças: Creio em Ti
Fim: Senhor, Tu amas o mundo - NCT 769


NCT - Novo Cantemos Todos;
OC - Orar cantando
CECII - Cânticos de Entrada e de Comunhão (II Volume)

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Maria, Mãe da Confiança


“Não estou aqui, eu que sou tua Mãe? Não estás debaixo da minha protecção? Não sou a causa da tua alegria? Não estás sob o meu manto? O que mais podes querer? Que nenhuma outra coisa te perturbe”.

(Nossa Senhora, na aparição em Guadalupe – México)

Confiar significa “entregar aos cuidados ou à fidelidade de alguém”. Que fidelidade mais pura, que cuidados mais carinhosos poderemos encontrar senão os de uma mãe? Uma vez que Nossa Senhora nos foi dada como Mãe pelo próprio Jesus, como não poderemos a Ela recorrer nas nossas dificuldades e aflições? Maria é a Mãe em quem devemos confiar.

Colocar a nossa confiança na mãos da Virgem Santíssima não é duvidar da misericórdia Divina, nem tão pouco diminuir a esperança que devemos ter em Deus. Colocarmo-nos nas mãos de Maria é deixar-nos guiar por Ela, reconhecendo que é por Nossa Senhora que chegamos a Jesus. Foi Ela que trouxe Jesus ao mundo e é por Ela que Deus quer levar o mundo a Jesus.

Sempre que rezamos o Terço, na oração da Salvé-Rainha, saudamos a Virgem com os títulos de “vida, doçura, esperança nossa, salvé!”. Na verdade, a Mãe do Céu é a nossa esperança, uma vez que foi n’Ela que se iniciou a obra da salvação, assim como foi também por Ela que o Salvador apareceu no mundo.

Como não confiar em tão boa Mãe, fonte de esperança e abrigo seguro para os que n’Ela procuram refúgio! Confiar em Nossa Senhora é reconhecer nesta bondosa Mãe a “esperança para as nossas almas, salvação das criaturas, socorro dos pecadores e protecção dos fiéis”, como diz Santo Afonso Maria de Ligório no seu livro “Glórias de Maria”. Com Maria ao nosso lado, nada há a temer, nem a mais forte das tentações do Demónio.

Lembremo-nos que as primeiras palavras de Nossa Senhora, em Fátima, foram: “Não tenhais medo!”. Queremos nós outro apelo mais claro que este à confiança na Sua maternal protecção?

Recorramos muitas vezes, especialmente nos momentos mais difíceis, à intercessão daquela que o próprio Deus escolheu para ser Sua e nossa Mãe. Confiemos-lhe a nossa vida e peçamos muitas vezes a Sua protecção para enfrentar os perigos naturais, materiais e espirituais que espreitam a todo o momento.



domingo, 11 de novembro de 2012

«Francisco e Jacinta, Testemunhas Vivas da Fé»

A Basílica de Mafra acolheu toda a Vigararia no passado Sábado, dia 10 de Novembro, para uma conferência com a Irmã Ângela Coelho, Postuladora para a Causa de Canonização dos Pastorinhos de Fátima.

Depois de um pequeno momento de oração, no qual se entoou o Hino dos Pastorinhos e foi lido um excerto da homilia do Papa João Paulo II no dia da beatificação destes dois pequenos videntes, a palavra foi dada à Irmã Ângela que começou por apresentar a história de vida do Francisco e da Jacinta.

Foi um momento marcante, pois foram dados a conhecer episódios menos divulgados do quotidiano dos Pastorinhos, assim como acontecimentos extraordinários que ocorreram após a morte de ambos. A título de exemplo, foi descrito pela Irmã o facto de, na transladação dos restos mortais do Francisco para a Basílica de Fátima, um dos elementos de identificação foi um rosário de 148 contas, com as restantes fraccionadas, que se encontrava no caixão. A propósito do post-mortem da Jacinta, foi apresentada a fotografia que mostrava o rosto incorrupto desta criança, 15 anos após a sua morte.

Com bastante entusiasmo e notória alegria, a Postuladora referiu que apesar de todos os sofrimentos e dificuldades que estes dois pequenos viveram, aceitaram o desafio proposto pelo Céu - “Quereis oferecer-vos a Deus?” - com convicção, alegria e total entrega à vontade de Deus. Também nós, no nosso dia-a-dia, somos convidados a sermos anunciadores da alegria de acreditar, mesmo nos momentos mais difíceis.

Relativamente ao percurso espiritual destas duas pequenas crianças, foi desmistificada a ideia de que ‘sempre foram santos’. Na verdade, tanto a Jacinta como o Francisco, antes das aparições, tinham alguns defeitos, e um temperamento marcado por algum capricho e egocentrismo.

Nestas duas vidas resume-se grande parte da doutrina da Igreja Católica: a Entrega incondicional a Deus, o Amor a Nossa Senhora, a Devoção ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia e o Amor à Igreja e ao Santo Padre.

Por fim, foi possibilitada aos presentes a oportunidade de colocarem questões à Irmã sobre a Mensagem de Fátima e o Testemunho de Vida destes dois Pastorinhos.

Terminado este tempo de diálogo, fez-se uma oração final pedindo pela Canonização do Francisco e da Jacinta, após a qual a JMV Sobreiro agradeceu a presença da Irmã Ângela e o testemunho de fé apresentado.


Que esta Conferência leve, não só aos que nela participaram, mas a todos, a rezar aos Beatos Francisco e Jacinta, pedindo também a Deus pela Canonização destas duas testemunhas vivas de Fé.


São Martinho com os idosos do Lar do Sobreiro


Hoje, dia 11 de Novembro, o Lar e Centro de Dia do Sobreiro realizou um Magusto, para o qual convidou toda a comunidade a celebrar com os seus utentes o tradicional dia de São Martinho.

A festa teve início cerca das 15:00h, mas os preparativos começaram um pouco antes, com o transporte de todos os utentes do Lar para o Salão Polivalente do Sobreiro. 
Neste transporte, esteve também envolvida a JMV Sobreiro que se disponibilizou para colaborar nesta actividade, a qual proporcionou aos mais idosos uma tarde diferente de convívio e animação.
Apesar de inicialmente alguns idosos se mostrarem pouco receptivos à ideia de sair do seu ambiente e dos lugares que diariamente ocupam no Lar e Centro de Dia, foi bonito sentir que os jovens podiam ajudar a convencê-los a sair e a ajudar na sua distracção.

Esta festa foi alegrada por um vasto grupo de acordeonistas de várias idades que apresentaram cada um dois temas que em muito animaram todos os presentes.

A iniciativa teve como objectivo principal a angariação de fundos para a aquisição de uma carrinha com plataforma elevatório para o transporte de utentes do Lar com mobilidade reduzida.

Durante a tarde, podiam ser saboreadas as tradicionais castanhas assadas, bem como filhoses, pão com chouriço, bolos e como não podia deixar de ser o saboroso caldo-verde. O ambiente era bastante familiar e via-se na cara dos mais idosos a alegria de poderem ter uma tarde de Domingo diferente, na qual não só familiares mas muitos amigos se juntaram para festejar o São Martinho e passar um agradável momento.


Para os elementos do Grupo de Jovens foi uma tarde diferente, não só pelo programa, mas principalmente pela possibilidade de, a exemplo de São Vicente de Paulo, oferecer o seu tempo ao serviço dos mais necessitados.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

«Ofereceu tudo o que tinha»


O Evangelho do próximo Domingo, o XXXII do Tempo Comum, ensina-nos que para Deus não interessam as grandes manifestações externas de amor e de fé. Para Ele, é mais agradável que, como cristãos, tenhamos uma atitude de confiança e entrega total a Jesus Cristo.

Através do exemplo da viúva, Jesus mostra-nos qual é o verdadeiro culto que Deus quer de nós: que sejamos capazes de Lhe oferecer tudo, toda a nossa vida, tudo o que somos e temos. O exemplo da viúva contrasta com o atitude anterior dos ricos, que deixavam nos cofres do templo grandes quantias de dinheiro, sendo admirados por todos. Porém, a pobre viúva não é notada por ninguém, excepto por Jesus, e dá uma quantia insignificante comparada às quantias dos ricos. Mas Jesus descobriu na pequena quantia que a viúva deposita no cofre – de valor humanamente insignificante - um verdadeiro tesouro.

Esta mulher deu tudo o que possuía, tudo o que tinha para viver. Só Deus foi capaz de reparar na sua fidelidade e generosidade. O seu amor a Deus foi superior a tudo o que tinha na vida. Por isso deu as duas pequenas moedas, aquilo que tinha para viver, confiando que Deus tomá-la-ia certamente ao Seu cuidado.

E nós? Teremos nós essa coragem, essa generosidade de oferecer a nossa vida totalmente a Deus e ao serviço da Sua Igreja? Aceitamos despojar-nos das nossas certezas, dos nossos projectos pessoais, a fim de nos entregarmos confiadamente nas Suas mãos?

Nesta semana, pensemos em como podemos ser mais abertos à vontade de Nosso Senhor, pedindo a Nossa Senhora que aumente a nossa confiança em Deus e que nos dê forças para nos entregarmos totalmente aos planos que Ele tem para nós. Aprendemos com Ela, que é o modelo perfeito de fé e de confiança nos planos divinos.


Proposta de cânticos para a Missa:

Entrada: Deus vive na Sua morada santa - NCT 217
Ofertório: Bendito sejas - NCT 251
Comunhão: O Cordeiro de Deus - CECII 121
Acção de Graças: Abri as portas a Cristo (Hino oficial ao Beato João Paulo II) - Marco Frisina
Fim: Quero cantar o Vosso nome - A.Cartageno

NCT - Novo Cantemos Todos;
CECII - Cânticos de Entrada e de Comunhão (II Volume)


segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Conferência sobre os Pastorinhos de Fátima em Mafra


No próximo Sábado, dia 10 de Novembro, será realizada uma conferência na Basílica de Mafra com a Postuladora para a Canonização dos Pastorinhos Francisco e Jacinta, a Irmã Ângela Coelho Silva.


A proposta desta conferência foi feita ao Grupo de Jovens do Sobreiro pela própria Irmã, que é responsável em Portugal e em Roma, junto do Papa, pelo processo de canonização dos pequenos videntes, beatificados em Fátima pelo Papa João Paulo II no ano 2000.

Para que eles sejam declarados Santos, é necessário um novo milagre e, por isso, um dos objectivos principais desta conferência é divulgar a devoção aos Pastorinhos de Fátima, levando as pessoas a recorrer à intercessão destes dois pequeninos que viram a Santíssima Virgem em 1917.

Porque a história e a mensagem de Fátima está muito ligada à História e ao próprio destino do nosso País, será importante para todos que o Santo Padre canonize os Pastorinhos, dois meninos que deram, nas suas curtas vidas, um firme testemunho de Fé. Além disso, seria também um motivo de alegria e orgulho para o nosso povo ter mais dois Santos portugueses

Para que isso aconteça, é realmente importante rezar a estas duas crianças para que, no Céu onde já se encontram, apresentem os nossos pedidos a Jesus e a Nossa Senhora.


Toda a Vigararia está convidada a comparecer, às 21h00 do dia 10 de Novembro, na Basílica de Mafra para ouvir a Irmã Ângela e conhecer mais e melhor a Mensagem e a vida dos dois Pastorinhos de Fátima.

Analytics